Para combater a “sexualização” na ginástica, ginasta alemã compete com fato inteiro

EM NOME DO CONFORTO DO SEU CORPO, UMA GINASTA ALEMÃ DESAFIOU AS REGRAS AO TER VESTIDO UM FATO DE CORPO INTEIRO NOS EUROPEUS DE GINÁSTICA


A atitude de uma ginasta alemã está a dar muito que falar. Tudo porque decidiu desafiar regras e convicções estabelecidas e por ter levantado questões sobre a sexualização dos corpos das ginastas.


Até aos dias de hoje, as ginastas só podem utilizar fatos de corpo inteiro por motivos religiosos em competições internacionais. No entanto, Sarah Voss decidiu desafiar essa regra ao ter optado por competir com um desses fatos, nos Campeonatos da Europa de Ginástica Artística.


Na competição, que aconteceu em Basileia, na Suíça, e que contou com uma portuguesa que fez história, a ginasta alemã utilizou um fato diferente do habitual, uma vez que se sente desconfortável com as roupas muito justas que são usadas na modalidade.


Tal como explicou em entrevista à emissora ZDF, citada pela BBC, Sarah Voss quer sentir-se bem na sua pele e “na ginástica torna-se difícil à medida que o corpo vai crescendo”.



Por isso, Sarah Voss tomou uma decisão de utilizar um fato de corpo inteiro mais largo, com o qual se sentiu mais confortável.


A ginasta teve o apoio da federação alemã de ginástica, que, em entrevista, explicou que as atletas estão a tomar uma posição contra a “sexualização da ginástica” e pretendem prevenir eventuais abusos sexuais.


A utilização de um fato de corpo inteiro não está, segundo a Federação Internacional de Ginástica, a desrespeitar regras, uma vez que os atletas podem competir com um “fato de peça único, com pernas cobertas”, desde que se trate de um design elegante.


  • Partilha:

Top