Ucrânia alvo de polémica depois de ter obrigado as mulheres militares a usar saltos altos

O GOVERNO UCRANIANO QUERIA QUE AS MULHERES MILITARES MARCHASSEM DE SALTOS ALTOS, NO DIA DA INDEPENDÊNCIA DA UCRÂNIA

Jéssica Santos


Para o Dia da Independência da Ucrânia, a 24 de agosto, o Ministério da Defesa fez um pedido especial: que as mulheres militares marchem com boina, roupa com padrão camuflado e sapatos de salto alto.


Um pedido pouco confortável para as militares, comparativamente com as botas de combate usadas pelos homens. Até aqui ninguém se opôs publicamente e tudo estava a ser organizado para que assim ocorresse. Mas, depois de umas fotografias dos treinos terem sido publicadas nas redes sociais, a polémica instalou-se. Choveram críticas e o caso ganhou eco, sendo retratado em jornais internacionais.



Porquê? Para tornar reais os estereótipos de alguém que pensa que o único papel de uma mulher é tornar-se numa boneca linda?” escreveu a deputada do partido da oposição Golos Inna Sovsun, no Facebook. Para muitos, não faz sentido estar a obrigar as militares a usarem saltos altos e a estarem menos confortáveis a marchar só porque são mulheres.


Perante esta situação, o governo recuou na sua decisão e o Ministro da Defesa fez uma visita às militares, que vão participar na parada, para discutir os uniformes usados e propor a substituição dos saltos altos por um outro calçado mais confortável.

Ainda não se sabe a que conclusões chegaram.

  • Partilha:

Top