Gorila morre nos braços do tratador que a resgatou em bebé

FORAM 14 ANOS DE AMOR E AMIZADE ENTRE ESTE CUIDADOR E UMA GORILA


Há histórias que quase superam a realidade por serem tão especiais e únicas. A relação entre o homem e o animal consegue transbordar qualquer barreira, tal como o prova esta história.

Ndakasi, uma gorila do leste do Congo, foi resgatada, em 2007, aos dois meses de idade, pelos guardas de um parque. A gorila tinha sido encontrada junto ao corpo da mãe, que tinha sido baleada pelas forças armadas do país. Foi rapidamente para um centro de acolhimento, em Goma, onde conheceu Andre Bauma.


Os anos passaram-se e Ndakasi e Andre desenvolveram uma relação de profunda ligação e amor. O cuidador nunca deixou de a proteger, sempre ciente dos traumas que poderia ter, e garante que a gorila também o ajudou muito. Em 2019, a gorila tornou-se famosa. Um outro tratador tirou uma selfie, no Dia da Terra, com duas gorilas, Ndakasi e Ndeze, de pé, e a imagem correu a internet, tornando-se viral.



Depois, experimentou novamente o sabor da fama, em 2014, ao participar no documentário “Virunga”.


E, agora, Ndakasi é novamente recordada por motivos menos felizes.
A gorila morreu no dia 26 de setembro nos braços do seu fiel companheiro, o cuidador Andre Bauma. Deu o último suspiro com a cabeça apoiada no peito de Andre Bauma, no Parque Nacional de Virunga, no leste do Congo. A fotografia fala por si e, à semelhança da tirada em 2019, também está a correr mundo.



Ninguém nos prepara para a perda, nem mesmo de um animal. Ficam as memórias e a certeza que os animais têm de ser protegidos. Neste caso, o parque Nacional de Virunga, onde vivia a gorila, situa-se numa região onde existem conflitos armados.


  • Partilha:

Top