Live Aid: Há 35 anos o mundo parou para ver e ouvir o Rock

O LIVE AID FOI VISTO POR 2 MIL MILHÕES DE PESSOAS, EM MAIS DE 100 PAÍSES, INCLUINDO PORTUGAL

Jéssica Santos


A 13 de julho de 1985, há precisamente 35 anos, fez-se o impossível até então: juntar mais de 60 artistas em dois megaconcertos para acabar com a fome na Etiópia.


Foram angariados cerca de 83 milhões de euros e o Live Aid conseguiu não só sensibilizar a população mundial para o problema que se vivia em África, como também marcou a história ao unir a música a causas humanitárias.



Os dois concertos com atuações sucessivas de grandes nomes da música aconteceram em Wembley, em Londres, e John F. Kennedy, em Filadélfia.


Neste Dia Mundial do Rock, recordamos o dia em que o mundo parou para assistir a estes megaconcertos.

Nem o calor que se fazia sentir nalguns países fez com que 2 mil milhões de espetadores saíssem de casa. Mais de 100 países estavam colados à televisão, incluindo Portugal, para ver Queen, Rolling Stones, David Bowie, Tina Turner, Madonna, U2, Elton John, ou Phil Collins - que começou por tocar em Wembley, por volta das 15 horas, e apanhou um voo de um avião Concorde para depois atuar em Filadéfia às 20 horas.



A transmissão começou às 12 horas, hora de Londres, e terminou às 4 da madrugada. O evento começou em Wembley com uma saudação dos príncipes de Gales, Diana e Carlos. As linhas telefónicas foram abertas para as pessoas ligarem e fazerem as suas doações para ajudar a Etiópia.


Foi um dia memorável para África, para a música e para o mundo.


  • Partilha:

Top