A vindima terminou e Biden é o novo presidente dos Estados Unidos

“ATÉ AO LAVAR DOS CESTOS É VINDIMA” FOI UMA EXPRESSÃO QUE VIRALIZOU NAS REDES SOCIAIS, DEPOIS DE TRUMP DECLARAR VITÓRIA, QUANDO AINDA FALTAVAM APURAR MILHÕES DE VOTOS

Jéssica Santos


A espera foi longa, mas habemus novo presidente dos Estados Unidos. A CNN e a Associated Press acabam de confirmar que Joe Biden conseguiu 284 votos no Colégio Eleitoral e já está com os dois pés na Casa Branca. E fez história: Joe Biden é o candidato a conseguir mais votos na história das eleições presidenciais nos Estados Unidos.


"Vou governar como um presidente americano", disse Joe Biden, numa conferência de imprensa, esta quinta-feira. "Não vai haver Estados vermelhos (cor dos republicanos) e azuis (cor dos democratas) quando ganharmos. Apenas os Estados Unidos da América."


A semana eleitoral esteve ao rubro. Sobretudo no twitter de Donald Trump. O até então presidente dos Estados Unidos declarou na quarta-feira de manha vitória, com milhões de votos por contar.



O candidato republicano acusou os democratas de tentar “roubar” as eleições, através do lançamento de votos já depois do fecho das urnas, e disse que ia recorrer ao Supremo Tribunal.


As acusações surgiram depois de Trump ter ganho em alguns estados importantes, como o Texas, Florida e Ohio. Caso Trump avance para o tribunal, as equipas jurídicas de Biden estão prontas para avançar e contrariar a sua estratégia.


"Até ao lavar dos cestos é vindima"


As eleições norte-americanas estão a ser acompanhadas a par e passo pela maioria dos países, incluindo Portugal. Com a precoce declaração de vitória de Trump nas redes sociais, surgiram comentários, a fazer referência a expressões portuguesas, que se tornaram virais. Como é o caso da expressão “até ao lavar dos cestos é vindima”, que significa, neste caso, que enquanto houvesse votos para contar, não se poderia pronunciar nenhum vencedor.


Ver esta publicação no Instagram

#election2020🇺🇸

Uma publicação partilhada por Comunidade Cultura e Arte (@comunidadeculturaearte) a


Mas apesar de ter tido o maior número de votos de sempre, Joe Biden podia não ser eleito o presidente dos Estados Unidos.


Para se ser eleito para a Casa Branca não é preciso ter mais votos: o que conta é ter votos nos estados certos. O próprio Donald Trump foi eleito, em 2016, sem a maioria dos votos, mas no Colégio Eleitoral, obteve 304 votos no total, ao passo que Clinton recolheu 227 votos.


Quando os americanos vão às urnas, não estão a votar em Donald Trump ou Joe Biden, mas sim a eleger os representantes do Partido Republicano ou Democrata. Estes representantes são os Grandes Eleitores e são eles quem decide o rumo das eleições presidenciais.


Cada Estado tem um peso diferente, que depende do seu número de habitantes. Quanto maior for o Estado, maior o número de representantes no Colégio Eleitoral. Por exemplo, a Califórnia, o Estado mais populoso dos EUA tem direito a 55 representantes, enquanto o Wyoming tem apenas três.


Estes representantes vão escolher o candidato tendo por base o vencedor das eleições na zona que representam. Porém, a escolha não é proporcional: todos os representantes votam no mesmo candidato, um sistema conhecido como “Winner takes all” (vencedor leva tudo, em tradução livre), aplicado em todos os Estados.


Por exemplo, Trump teve a maioria dos votos no Estado do Texas, e por isso conseguiu 38 representantes, o número do Estado no Colégio Eleitoral.


No total, existem 538 representantes e para vencer a eleição, um candidato precisa de conseguir 270 representantes no Colégio Eleitoral.


  • Partilha:

Artigos Recomendados
Se Joe Biden vencer as eleiçõe...Se Joe Biden vencer as eleições americanas, estes serão os desafios que tem de enfrentarOS ESTADOS UNIDOS (E O MUNDO) VÃO CONHECER O NOVO PRESIDENTE NO PRÓXIMO DIA 3 DE NOVEMBROmaisHospitais têm autorização do G...Hospitais têm autorização do Governo para suspenderem atividade não urgenteMEDIDA FICA AO CRITÉRIO DE CADA HOSPITAL EM CONJUNTO COM AS AUTORIDADES REGIONAIS DE SAÚDE. FICARÁ EM VIGOR DURANTE ESTE MÊS DE NOVEMBROmaisO estranho caso de David Andah...O estranho caso de David Andahl. Morreu há um mês, mas foi eleito na Dakota do NorteO CANDIDATO MORREU EM SETEMBRO, COM COVID-19, ALTURA EM QUE JÁ DECORRIA A VOTAÇÃO POR CORREIOmaisAutocarros turísticos vão refo...Autocarros turísticos vão reforçar a oferta de transportes públicosESTA MEDIDA TAMBÉM VAI PERMITIR COLOCAR NO ATIVO PELO MENOS 400 MOTORISTAS QUE ESTAVAM EM CASA SEM TRABALHO HÁ PELO MENOS OITO MESESmaisA história do edredão que acab...A história do edredão que acabou com o cobertorEDREDÃO OU COBERTOR? O USO DO EDREDÃO NASCEU NOS PAÍSES NÓRDICOS E ACABOU POR SE ESPALHAR PELO RESTO DO MUNDO E DITAR O FIM DO COBERTORmaisGeração mais nova apresenta um...Geração mais nova apresenta um QI inferior ao dos pais, diz especialistaOS FILHOS APRESENTAM, PELA PRIMEIRA VEZ, UM QI INFERIOR AO DOS PAIS E A CULPA É DO CONSUMO EXCESSIVO DE TECNOLOGIA, DEFENDE ESPECIALISTAmaisForças Armadas Portuguesas des...Forças Armadas Portuguesas desenvolvem método para gerir a falta de camas nos hospitaisHÁ VÁRIOS MÉDICOS A CRITICAR A FALTA DE GESTÃO DE CAMAS NOS HOSPITAIS. AS FORÇAS ARMADAS DESENVOLVEM METÓDO QUE PODE SER A SOLUÇÃOmaisEstes são os filmes preferidos...Estes são os filmes preferidos dos animadores da RFMNO DIA MUNDIAL DO CINEMA, OS ANIMADORES DA RFM REVELAM-TE OS FILMES QUE OS FIZERAM RIR, CHORAR, DIVERTIR E INSPIRARmais"Vamos sempre a tempo de mudar..."Vamos sempre a tempo de mudar" diz a Catarina FigueiredoCRÓNICA DE UM DIA NO MERCADOmais
Top