Graças a um camelo, crianças de aldeias remotas do Paquistão têm acesso a livros

ESTA BIBLIOTECA ANDANTE FUNCIONA TRÊS DIAS POR SEMANA E A CUSTO ZERO NO PAQUISTÃO

Jéssica Santos


Esta biblioteca andante foi a melhor coisa que aconteceu a estes jovens e crianças de aldeias remotas do Paquistão.

Quem o diz é Sughra, de 22 anos, à VICE World News.


Graças a um camelo, os habitantes destas aldeias têm acesso a livros, jogos, puzzles, fantoches e vídeos educativos. O animal anda três dias por semana na sua tarefa de carteiro e a custo zero.



Sughra casou aos 15 anos e foi obrigada a deixar os estudos para iniciar a sua família. Hoje é mãe de dois filhos, com três e quatro anos. E é aqui que esta biblioteca andante faz a diferença na vida desta jovem. Graças ao camelo, Sughra pode ter contacto com os livros, que deixou para trás tão nova, e experimentar a sensação de sair da sua realidade através da leitura.


Segundo o site norte-americano, a província do Baluchistão, por onde anda o camelo, tem uma das taxas de literacia feminina mais baixas do mundo, assim como a maior percentagem de crianças que não vão à escola. Este projeto quer colocar estas crianças e jovens no sistema escolar e dar-lhes mais mundo através de livros e jogos.


E é também através de histórias que os habitantes destas aldeias remotas podem trabalhar a sua imaginação e criatividade. Não há preço que pague essa sensação.

Esta iniciativa começou em outubro do ano passado e já foram emprestados mais de mil livros a 300 crianças. Agora, o objetivo é alargar o território desta biblioteca andante e dar mais mundo a outras crianças.


  • Partilha:

Top