Após suspensão, Dinamarca volta a permitir criação de visons

O PAÍS DECIDIU ABATER 17 MILHÕES DE VISONS PARA PREVENIR A TRANSMISSÃO DA COVID-19 E SUSPENDEU A SUA CRIAÇÃO


2020 foi o ano que ficou marcado pelo início de uma pandemia que veio alterar por completo a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Trabalhos que se perderam, casas que passaram a ter famílias a trabalhar todos os dias, hospitais que se encheram e profissionais de saúde que trabalharam até à exaustão.


Durante os primeiros meses da pandemia, surgiram as dúvidas sobre aquilo que poderia transmitir o vírus. E foram essas dúvidas que levaram a Dinamarca a abater, de acordo com o site Euronews, "17 milhões de visons para prevenir a proliferação do vírus SARS-CoV-2 e uma eventual transmissão aos humanos". Perante a hipótese de contaminação, o país suspendeu a criação de visons, após ter abatido milhões de animais.


A decisão foi altamente criticada e, rapidamente, gerou controvérsia, "depois de ter ficado claro que não houve base legal para abater visons saudáveis", tal como escreve o Público.


Passaram-se dois anos e com a pandemia ainda instalada, mas mais tímida, a Dinamarca decidiu agora que não vai prolongar a lei que suspendia a criação de visons. Quer isto dizer que os animais vão ser, novamente, criados.



Este levantamento da suspensão, que entra em vigor no final deste ano, aconteceu depois, segundo escreve o Público, "de uma auditoria das autoridades de saúde ter mostrado que havia pouco risco para a saúde pública ao retomar uma produção significativamente reduzida de visons e ao introduzir medidas de prevenção de infecções".


A partir do próximo ano, os criadores de visons têm de seguir, de acordo com o Sapo, "um modelo rigoroso de prevenção e controlo de infeções desenvolvido pelas autoridades veterinárias e de saúde".


  • Partilha:

Top