XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX' width='0' style='display:none;visibility:hidden'>

Porque é que falta metade ao Palácio da Ajuda?


Porque só construíram metade!


É incrível como o Palácio escolhido para várias receções, tomadas de posse e para muitos banquetes de Estado, tem no interior salas como esta...



Tem esta incrível fachada...



E, depois, estas traseiras...


A ideia que dá é que, em certo dia, a malta terminou a jornada de trabalho na construção do Palácio e nunca mais voltou… até hoje.

Parece aquelas máscaras duplas que se põem no carnaval, à frente são uma linda cara de princesa e atrás as feições de um monstro.



E o Palácio da Ajuda ficou assim... apenas por metade, porquê?

Começaram a construí-lo e depois… desistiram.



A história começou assim...

O rei D. José I (1714-1777) escapou ao terramoto de 1755 porque se encontrava com a família no Palácio de Belém. Tomado pelo medo de novos sismos, anunciou que jamais voltaria a viver na cidade e em edifícios de alvenaria. Ordenou, então, que no alto da colina da Ajuda se construísse um “palácio de madeira e panos”.

E assim foi! Durante 38 anos, a corte portuguesa viveu na chamada “barraca real” ou “real abarracamento”.

Considerou o rei que aquele lugar, no topo da colina, era ideal para a edificação de um majestoso palácio e assim mandou que se começasse a construir o Palácio da Ajuda em 1796.



Uma construção aos soluços...

A construção foi acontecendo a um ritmo muito desequilibrado. E eis que em 1807, a corte portuguesa vai toda para o Brasil fugindo das invasões francesas. Com a corte do outro lado do oceano e a falta de dinheiro, a construção do palácio prosseguiu de forma lenta e engasgada.
Mais de uma década depois, em 1821, a corte regressou do Brasil e o palácio claro que continuava muito inacabado.

Depois, em 1826, quando o rei D. João VI (1767-1826) morreu, as alas nascente e sul já estavam habitáveis, a infanta regente D. Isabel Maria (1801-1876) e duas das irmãs escolheram viver aqui, apesar de se manter muito inacabado.
Só com o rei D. Luís I (1838-1889) é que se dá um novo impulso às obras e o Palácio da Ajuda ficou com a dimensão que hoje tem… mas sempre inacabado.



As novas traseiras...

Finalmente, ao cabo de mais de 2 séculos, as traseiras do Palácio da Ajuda vão levar um arranjo e quem subir a calçada da Ajuda vai ter esta visão. As obras já estão em curso!


  • Partilha:

Top