Ele inspirou o filme …. mas não quer que se saiba!

Sabias que “Nunca deixes de olhar” que estreou dia 16 de janeiro com a RFM e está nomeado para os Óscares de melhor cinematografia e de Melhor Filme Estrangeiro, é inspirado na vida de um dos maiores pintores das últimas décadas?

O filme conta-nos a história da infância e juventude de um artista plástico alemão chamado Kurt Barnert durante os atribulados anos da segunda guerra mundial e pós guerra – entre 1937 e 1967…mas foi na história e obra do pintor alemão Gerhard Richter que o realizador Florian Henckel von Donnersmarck se inspirou



Considerado um dos maiores pintores mundiais ainda no ativo, o alemão Gerhard Richter tem passado mais de 6 década a experimentar uma enorme variedade de técnicas e ideias, inspirando as suas obras em conflitos históricos, nos mass media e experimentando novos processos de criação. Richter passou a sua infância sob o regime nacional socialista e viveu durante mais de 16 anos sob o regime comunista da Alemanha de leste antes de em 1961 com a construção do muro de Berlim, se mudar para a Alemanha ocidental

Hoje, aos 86 anos, Richter vive em Dresden e continua no ativo como pintor, professor universitário e artista plástico



Para a realização deste filme, Gerhard Richter contou ao realizador Henckel von Donnersmarck a sua história, mas pediu que no filme não fosse mencionado o seu nome nem fossem usados os seus quadros



Assim, inspirado nas memórias de Gerhard Richter, Donnersmarck realizou um filme que vacila entre a ficção e a realidade alterando o nome do pintor para Kurt e usando quadros pintados por um dos antigos assistentes de Richter



O filme “Nunca deixes de Olhar”, inspirado na vida de Gerhard Richter, aqui com o nome de Kurt Barnert, conta-nos 30 anos da história de um dos mais admirados artistas plásticos do seculo XX cujo papel é desempenhado por Tom Schilling .



O filme acompanha a infância de Kurt (Tom Schilling) em Dresden,na Alemanha Nazi até à sua juventude no pós guerra já sob o regime comunista e a sua paixão por uma colega de Belas Artes cujo pai é um ex- nazi disfarçado de cooperante comunista. Com a construção do muro de Berlim, “Nunca deixes de Olhar” segue a fuga de Kurt para o Ocidente e a sua participação no novo movimento de arte contemporânea



Apesar de ter concordado com o guião e de ter visto apenas o trailer do filme, na altura da estreia de "Nunca deixes de olhar" o pintor alemão afirmou à revista New Yorker que tinha um mau pressentimento sobre o filme, acrescentando que tinha avisado expressamente o realizador que não aprovaria um filme sobre Gerhard Richter.

Admirado com esta reação do pintor, o realizador declarou ao site artnet News que Richter ainda não tinha visto o filme, e que as duas alterações ao guião que tinha pedido tinham sido feitas. “Então se não era para que eu os utilizasse no filme porque é que me contou durante todas aquelas semanas tantos pormenores da sua vida!”

Segundo a New Yorker, Gerhard Richter é famoso por gostar de controlar tudo os que tem a ver com a sua obra, tendo inclusive já adiantado o trabalho de futuros historiadores e curadores fazendo ele próprio uma lista oficial dos seus trabalhos, editando radicalmente tudo o que fez e, a ser ver não está ao seu melhor nível


  • Partilha:

Top